segunda-feira, 17 de junho de 2013

AACD lança o livro "Que amor é esse?"

Primeira obra da entidade apresenta fotos de pacientes com suas mães, além de depoimentos de personalidades sobre a maternidade.


A AACD - Associação de Assistência à Criança Deficiente lança no dia 13 de junho, às 19h, na Livraria Cultura do Conjunto Nacional, em São Paulo, o livro "Que amor é esse?", primeiro projeto da Instituição aprovado pela Lei Rouanet, que trará registros fotográficos e textuais sobre o amor materno.



A obra, produzida pela Editora PitCult e patrocinada pela Bradesco Seguros, teve as imagens feitas pelo renomado fotógrafo Sergio Chvaicer, que retratam a relação de carinho das mães com os filhos com deficiência física. Toda a arrecadação com a venda dos livros será revertida à Instituição, que será aplicada para dar continuidade à reabilitação de pessoas com deficiência.



"Pela primeira vez conseguimos registrar um momento tão nobre e puro, que é o amor de uma mãe por seu filho. Com imagens emocionantes, percebemos que nenhuma deficiência física é barreira para o amor incondicional de uma mãe", afirma Regina Helena Scripilliti Velloso, presidente voluntária do Conselho de Administração da AACD.



Em formato de luxo, de 28cmx21cm, o livro é bilíngue (português e inglês), contempla 100 fotos que mostram a relação dos pacientes da AACD com suas mães. Há também 23 depoimentos de personalidades sobre a maternidade, como Lygia Fagundes Telles, Ruth Guimarães, Claudia Leitte, Fafá de Belem, Wanessa Camargo, Flavia Alessandra, Marcelo Camargo, filho de Hebe Camargo, que descreve o relacionamento da mãe com a Entidade, entre outros.



Para promover o lançamento, fotógrafo Sergio Chvaicer disponibilizará 18 fotos ampliadas do seu trabalho realizado no livro, que estarão expostas na Galeria de Arte da livraria, à disposição para venda, que também terá os recursos destinados à AACD.



O livro "Que amor é esse?" estará à venda na Livraria Cultura da Avenida Paulista (Conjunto Nacional - Av. Paulista, 2073 - Bela Vista), em São Paulo, e também nas 14 unidades da AACD. Para mais informações, acesse www.aacd.org.br.



Sobre a AACD
A AACD - Associação de Assistência à Criança Deficiente, com mais de 60 anos de atividades, é uma Instituição filantrópica e sem fins lucrativos, que tem como missão "Promover a prevenção, habilitação e reabilitação de pessoas com deficiência física, especialmente de crianças, adolescentes e jovens, favorecendo a integração social". Mantém 14 Unidades distribuídas pelo Brasil: AACD Ibirapuera (SP), AACD Mooca (SP), AACD Santana (SP), AACD Campo Grande (SP), AACD Lar Escola São Francisco (SP), AACD Osasco (SP), AACD São José do Rio Preto (SP), AACD Mogi das Cruzes (SP), AACD Recife (PE), AACD Uberlândia (MG), AACD Porto Alegre (RS), AACD Nova Iguaçu (RJ), AACD Joinville (SC) e AACD Poços de Caldas (MG). Há ainda duas novas Unidades em construção, previstas para inauguração em 2013: AACD Campina Grande (PB) e AACD Vitória (ES). Os recursos arrecadados com o Teleton 2012 serão utilizados em todas as Unidades e no Hospital Abreu Sodré e terão como objetivo fortalecer a estrutura da AACD para continuar oferecendo tratamentos com excelência.


Fonte:
FSB DIVULGAÇÃO LTDA. - SP
Jornalista Responsável: Erica Arruda
Fone (11) 30619596


sexta-feira, 31 de maio de 2013

A união nos permitiu ajudar mais uma família

Com a venda das nossas camisetas e a ajuda de alguns parceiros, conseguimos doar mais uma cadeira de rodas.
Essa foi para o Sr. José Maria que mora em Bicas-MG.
Obrigado a todos que acreditam no nosso trabalho.

JUNTOS SOMOS MUITO MAIS FORTES!!!


quinta-feira, 23 de maio de 2013

Teste de esqueleto biônico


Teste de esqueleto biônico para paraplégicos deve começar em junho
folha de são paulo

O ambicioso projeto do grupo de cientistas comandado pelo paulistano Miguel Nicolelis, 52, que pretende fazer um paraplégico dar o pontapé inicial da Copa de 2014, no Brasil, usando um esqueleto biônico controlado pelos pensamentos, deve entrar na fase de testes com humanos no mês que vem.
A revelação foi feita por Nicolelis durante palestra ontem na Finep (Financiadora de Estudos e Projetos), a agência pública brasileira que financia o projeto, chamado Andar de Novo e orçado em R$ 33 milhões.
Segundo ele, até o momento, já houve uma simulação com macacos usando um protótipo. "Conseguimos realizar padrões de marcha usando simuladores e, daqui a alguns meses, a gente espera que esse macaco ande com o exoesqueleto tanto lá na Duke quanto no nosso laboratório aqui em Natal.""As primeiras simulações do exoesqueleto já foram feitas e, para minha satisfação, ele funciona como planejado", disse Nicolelis, que está à frente do IINN (Instituto Internacional de Neurociências de Natal) e é professor da Universidade Duke (EUA).
Para os testes com humanos, os voluntários serão selecionados pela AACD (Associação de Assistência à Criança Deficiente) , em São Paulo, segundo Neiva Paraschiva, diretora-executiva da associação que gerencia o IINN. Ela afirmou também que os primeiros testes "não serão invasivos", ou seja, não haverá a conexão de eletrodos ao cérebro do paciente para que eles possam emitir os comandos que controlarão o exoesqueleto. O equipamento deve incluir ainda um revestimento que dará um feedback tátil ao cérebro do usuário, permitindo que ele "sinta" o chão onde pisa.
Segundo a AACD, serão selecionados para o teste dez pacientes com lesão medular incompleta, isto é, ainda com algum grau de movimento.
O superintendente-geral da instituição, João Octaviano Machado Neto, diz que a aprovação do estudo pela Conep (Comissão Nacional de Ética em Pesquisa) deve sair ainda neste mês.
A parceria da AACD com os cientistas, financiada pela Finep, ampliará o laboratório da entidade, criando "o mais avançado laboratório de reabilitação neurorrobótica do planeta", segundo Nicolelis.
O cientista disse também que o primeiro simulador de locomoção completo do mundo será testado na AACD "nas próximas semanas".
"O paciente vai olhar para um avatar de si mesmo andando e vai treinar o cérebro, usando a informação visual, para gerar os sinais que precisamos pegar para controlar o exoesqueleto no futuro."
Nicolelis se emocionou ao citar a meta de demonstrar o projeto na abertura da Copa.
"Se tudo der certo, um brasileiro ou uma brasileira, jovem adulto, de até 1,70 m, com até 70 kg, vai levantar de uma cadeira de rodas, realizar 25 passos da linha lateral até o centro do gramado e abrir a Copa com um chute da ciência brasileira para toda a humanidade", disse o cientista, indo às lágrimas.
Para Machado Neto, da AACD, o prazo curto, de um ano, até a abertura da Copa não é um problema. "É um desafio, mas os desafios produzem grandes resultados."
Ainda que o exoesqueleto não seja uma solução para todos os paraplégicos, diz ele, é uma vertente importante de pesquisa. "Temos toda sorte de paciente, o importante é melhorar a qualidade de vida deles."


segunda-feira, 20 de maio de 2013

ATENÇÃO: Distribuição de cadeiras de rodas especiais


















O Rotary Club de Niterói Leste distribuirá, entre os dias 20 e 24 de maio de 2013, cerca de 200 cadeiras de rodas especiais, sendo 20 infantis. As cadeiras de rodas são doadas pela ONG norte-americana “Joni and Friends” e são ajustadas por fisioterapeutas e técnicos americanos e brasileiros, conforme as necessidades de cada paciente.
O projeto “Cadeiras de Rodas para o Mundo” é único no Brasil, sendo realizado aqui desde 2006. Destina-se à população que tem grande dificuldade de acesso a esse equipamento. As pessoas beneficiárias desse projeto poderão comparecer todos os anos para novos reajustes ou troca de sua cadeira.
Cada cadeirante deverá apresentar uma ficha de inscrição preenchida com seus dados, além de cópia da identidade, CPF e comprovante de residência do paciente e do responsável, laudo médico e foto de corpo inteiro.
No dia marcado para o atendimento os pacientes e seus responsáveis devem comparecer ao Clube Naval de Niterói, em Charitas, munidos dos documentos originais.
Distribuição:
Dias: 20 a 24 de maio
Horário: das 8:00h às 18:00h
Local: Clube Naval de Charitas, Av. Carlos Ermelindo Marins 68, Jurujuba, Niterói, tel:(21)2109-8100
Os interessados em obter uma cadeira de rodas deverão procurar uma das instituições parceiras relacionadas a seguir:
Rotary Clubs das cidades de Niterói, Maricá, São Gonçalo etc.
Lions Clubs,
ABBR,
AFR,
ANDEF,
APAE Niterói/São Gonçalo/Campos/Rio,
Amor pela Vida (Igreja Betânia),
Pestalozzi,
Casa da Amizade de Niterói,
Famnit
Associação de Moradores de Niterói,
Refazer
Instituto Fernandes Figueira,
Igreja Presbiteriana de Niterói,
Igreja Batista de Itaipu,
Primeira Igreja Batista de Niterói, Hospital Antônio Pedro (Achuap),
Hospital do Fundão (UFRJ),
Abrigo do Cristo Redentor,
Programa Médico de Família de Niterói,
Igreja Batista da Orla,
Igreja Congregacional,
Igreja Bethânia
Mais informações:
Louback (21)8644-0031 e Laura (21)7105-1446

terça-feira, 14 de maio de 2013

AMBULÂNCIA DO SUS

Todos nós sabemos que uma viatura EM SERVIÇO pode utilizar as vagas reservadas.

Estava eu parado na vaga reservada do MAKRO atacadista de Juiz de Fora-MG, quando essa ambulância, da cidade de Liberdade-MG, parou na vaga ao lado. Até aí tudo bem, percebi que haviam muitas vagas que não são reservadas livres, mas se eles podem, quem sou eu para reclamar.
Vi que não estavam em serviço, pois, o funcionário do SUS (Sistema Único de Saúde), que estava no carona, fumava dentro da viatura.
Eles pararam para almoçar, disse o motorista. Desceu mais um casal, que até onde vi, não estavam com nenhum problema.

Se eu estiver enganado por falar que não estavam em serviço, peço desculpas, mas fiquei indignado por causa do funcionário fumar dentro de uma viatura da saúde.
QUE MUNDO É ESSE???

Aguardamos explicações.
Att.
Equipe Cadeirantes em Ação






terça-feira, 2 de abril de 2013

Mestre de artes marciais dá exemplo de vida



Patrícia Fernandes
patricia.fernandes@jornaldebrasilia.com.br


O olhar brilhante denuncia a sede de viver. Para ele, as limitações são apenas uma página do seu livro, que a cada dia ganha um novo capítulo. Após ser baleado em um assalto, o mestre em artes marciais Júlio Pudim, 46 anos,  ficou tetraplégico e viu sua vida mudar completamente. Mas o triste episódio não o impediu de seguir o caminho que escolheu. Ele continuou dando aulas e formando campeões.

O lutador afirma que em nenhum momento sucumbiu ao sofrimento.  Ele garante que não se considera uma pessoa diferente das demais. “Não me vejo como um guerreiro. As pessoas acham isso porque não existem muitas que queiram realmente viver. Então, quando você demonstra isso você se torna diferente”, avalia.

Esporte
Segundo ele, o esporte foi determinante para a sua recuperação. “Sempre fui do esporte e isso fez com que eu adquirisse, ao longo da vida mais auto-controle e inteligência emocional”, relata. Júlio também enaltece o papel de sua equipe na recuperação. “Eles foram uma família. Iam me visitar frequentemente no hospital. Nesses momentos, esse apoio é um grande diferencial”, declara.

Apesar de todo o entusiasmo pela vida, existiram momentos de desespero. “Eu sou um ser humano. Teve dias em que pensei sobre o que seria da minha vida. Sem andar, dependendo dos outros. Mas nasci pra ser feliz”, conta. O campeão ressalta que esses momentos não duraram muito tempo. “Quando a tristeza vinha, sabia que eu precisava mudar o rumo dessa história. Então, trilhei um caminho e estou me guiando nele diariamente”, disse.

Outro fator muito importante que ajudou Júlio na sua recuperação foi a perseverança, que ele confessa  ser muitas vezes exagerada. Ele vai até o limite nos exercícios. Algumas vezes, ele chegou a desmaiar em função do esforço excessivo”, lembrou o fisioterapeuta de Júlio, Gabriel Lavoura.

Caso raro pela fisioterapeuta
Além da superação, Júlio também é um caso raro para a medicina. O laudo dos médicos foi de que ele ficaria tetraplégico, perderia todos os movimentos abaixo do pescoço. Mas, incrivelmente, ele consegue mexer os dois braços. O esquerdo ele diz estar 100%. Além disso, o campeão não perdeu a musculatura que tinha antes do assalto. 

O fisioterapeuta Gabriel Lavoura, responsável pela recuperação do lutador, afirma que o caso é uma incógnita. “É inacreditável. Nunca vimos um caso parecido com o dele. Quando o conheci, não acreditei”, disse.

O fisioterapeuta relembra a complexidade do caso. “Como a lesão foi provocada por arma de fogo, os músculos e os nervos queimaram. Por isso, o esperado é que ele não mexesse nada abaixo do pescoço”, diz. Mas por ter toda a musculatura trabalhada, ele teve mais facilidade para assimilar os exercícios.


Fonte: Da redação do clicabrasilia.com.br

domingo, 17 de fevereiro de 2013

É muita falta de educação para uma pessoa só. ATACADÃO JUIZ DE FORA - MG

ATACADÃO JUIZ DE FORA - MG


A HORA QUE EU CHEGUEI


A HORA QUE O INFRATOR RETORNOU


 E ELE SAIU DEIXANDO MAIS UM ABSURDO PARA TRÁS

VAMOS RESPEITAR, MEU POVO!!!