quinta-feira, 23 de junho de 2011

ESTÃO CRITICANDO O NOSSO TRABALHO

TEM PESSOAS QUE ESTÃO NOS CHAMANDO DE "FROUXOS" POR TERMOS TAMPADO AS PLACAS DOS CARROS FLAGRADOS PELA NOSSA EQUIPE EM VAGAS ESPECIAS. GOSTARÍAMOS DE ESCLARECER QUE NÃO DIVULGAMOS AS PLACAS DOS VEÍCULOS POR UMA QUESTÃO DE PRIVACIDADE. AS FOTOS DE VEÍCULOS OFICIAIS FLAGRADOS SÃO ENCAMINHADAS AOS ÓRGÃOS COMPETENTES. NÃO PODEMOS DIVULGAR AS PLACAS DOS VEÍCULOS NÃO-OFICIAIS POR UMA QUESTÃO JURÍDICA.
PREFERIMOS SER CHAMADOS DE "FROUXOS" E DEFENDER UMA CAUSA DO QUE VER ABSURDOS COMO ESTES ACONTECEREM E FICAR DE BRAÇOS CRUZADOS.
AGRADECEMOS O ENORME APOIO DAQUELES QUE NOS ADICIONAM E COMPARTILHAM A NOSSA LUTA NO FACEBOOK.
AOS POUCOS QUE SÓ SABEM CRITICAR, UMA MENSAGEM: COMEÇEM A OLHAR AOS SEU REDOR E TENHAM A SENSIBILIDADE DE PERCEBER QUE O MUNDO NÃO É SÓ SEU.
" Sozinhos não somos nada
Mas juntos podemos tudo
Se a gente acredita
É possível fazer mais feliz nosso mundo."
MAIS UMA VEZ AGRADECEMOS A COLABORAÇÃO DE TODOS!!
EQUIPE CADEIRANTES EM AÇÃO

terça-feira, 21 de junho de 2011

POLICIAL MILITAR DO DF SEM NOÇÃO.

                                                                                 Por RM

            Em uma bela noite de sexta-feira, estávamos, meu marido e eu no restaurante Peixe na Rede (muito bom, por sinal) em Brasília/DF. Como de costume paramos nosso carro na vaga destinada a portadores de necessidades especiais.
            Na hora de ir embora, notamos que não havia como meu marido entrar no carro, pois outro motorista havia parado seu veículo na área ao lado da vaga especial (que logicamente é para o cadeirante colocar sua cadeira para descer do carro), ou seja em área indevida. Para nossa sorte (ou azar!), na hora estava passando uma viatura da Polícia Militar e rapidamente solicitei que o Policial averiguasse a situação.
            Ciente do ocorrido e vendo que não havia como meu marido entrar no carro pelo lado do motorista que estava impedido, o policial perguntou se ele não poderia entrar pelo lado do carona e pular para o banco do motorista. ????? Meu marido olhou para suas pernas e imediatamente olhou para dentro do olho do policial e respondeu: “- Não, Senhor policial, infelizmente eu não posso.”.
            Diante deste absurdo, eu precisei retirar o carro da vaga para que meu marido pudesse entrar. Inocentemente solicitamos ao policial que entrasse em contato com o DETRAN-DF para que fosse encaminhada uma viatura a fim de tomar as medidas cabíveis – MULTA, mas percebemos que o policial não estava interessado no assunto, pois ficou enrolando, enrolando e providência que é bom, nada.
            Ressalto que havia um POLICIAL MILITAR no local testemunhando o fato e que NÃO tomou providencia alguma sobre o ocorrido.
            Mas esperar o que dele, se pelos flagras postados aqui, até a própria viatura da Polícia Militar estaciona na vaga destinada a Portadores de Necessidades Especiais?
            Até quando isso vai continuar assim???

segunda-feira, 20 de junho de 2011

Escolas terão R$ 100 milhões para melhorar acessibilidade

(Brasília, 6/06/2011) - Apenas 20% das escolas públicas de educação básica atendem critérios de acessibilidade a estudantes com deficiência. Dados do Censo Escolar de 2010 apontam quase 500 mil desses estudantes matriculados em unidades de ensino regular. Para adequá-las às necessidades dos alunos, o Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) vai repassar recursos de R$ 100 milhões a 3.433 municípios.
Os recursos destinam-se, prioritariamente, à promoção da acessibilidade arquitetônica de 12.165 mil escolas públicas municipais, estaduais e do Distrito Federal. Podem ser aplicados, também, na aquisição de itens como cadeiras de rodas ou softwares específicos. “Trata-se de um apoio que a União oferece aos sistemas de ensino” disse a diretora de políticas de educação especial do Ministério da Educação, Martinha Clarete.
Este ano, serão atendidas as escolas que receberam sala de recursos multifuncionais em 2009 e registraram matrícula de estudantes com deficiência no Censo de 2010. Cada unidade de ensino pode receber recursos que vão de R$ 6 mil a R$ 9 mil, de acordo com o número de alunos. O dinheiro pode ser usado na aquisição de material para a construção de rampas, alargamento de portas, adequação de corredores, sanitários, bibliotecas e quadras de esportes. “Os estudantes com deficiência devem ter acesso a todas as dependências da escola”, ponderou a diretora.
A Escola Inclusiva faz parte do Programa Dinheiro Direto na Escola (PDDE), que reduz a burocracia na transferência de recursos. Para recebê-los, as escolas devem elaborar plano de ações, a ser submetido à aprovação das secretarias de educação, observados os critérios e normas gerais de acessibilidade nas obras.
Fonte: Ministério da Educação

domingo, 19 de junho de 2011

A MASCOTE!!! ATÉ ELES TEM DIREITO A VIVER COM DIGNIDADE


CONHECEMOS ESSA CACHORRINHA EM UMA DE NOSSAS VIAGENS. ELA É SHOW!!

CUIDADO COM SUA CADEIRA DE RODAS AO VIAJAR DE AVIÃO

                                                                                                           Por RM


Uma vez meu marido, que é cadeirante, e eu precisamos viajar de avião de Brasília para Vitória/ES e infelizmente escolhemos a uma empresa que infelizmente não possui qualificação nem treinamento para lidar com PNE’s.


            Antes do embarque em Brasília, lacramos a cadeira de rodas(motorizada), naqueles quiosques que tem nos aeroportos onde as pessoas costumam lacrar malas etc., pois bem, na ocasião o próprio atendente do quiosque sugeriu que lacrássemos a cadeira duas vezes, por segurança. E foi o que fizemos, pagamos duas vezes o serviço acreditando que assim, não haveria nenhum transtorno. Quanta inocência de nossa parte...


            Ao chegarmos no balcão de embarque da companhia eu informei para atendente do check in que tivessem muito cuidado com a cadeira e que a mesma não deveria ser colocada na esteira de transporte de bagagens por se tratar de uma cadeira de rodas(objeto frágil e de fundamental importância para locomoção de meu marido) e que eu gostaria que um funcionário da companhia encaminhasse a cadeira para o avião. Mas infelizmente isso não foi feito...


            Nosso vôo faria escala no Rio de Janeiro e como atrasou a saída em Brasília, perdemos nossa escala. Ao chegarmos no Rio a empresa disponibilizou para meu marido uma cadeira de rodas infantil, ISSO MESMO, ele tem 1,84 de altura e cerca de 80 quilos. Imaginem a situação constrangedora.... Nós tivemos que ficar por cerca de 2 horas no aeroporto do Rio de Janeiro e ele sentado numa cadeira de rodas infantil, mas o pior ainda estava por vir.


            Ao chegarmos a Vitória, a cadeira de rodas dele que havia sido lacrada e com diversas recomendações de cuidado, inclusive com vários adesivos, estava toda arranhada, com os punhos estragados e fazendo um barulho horrível. Fomos direto ao balcão de atendimento da empresa. E qual foi nossa surpresa ao questionarmos a atendente sobre o ocorrido? Ao entrar em contato com sua superior pelo rádio, esta informou a atendente que solicitasse ao meu marido que deixasse a cadeira de rodas no aeroporto que ela iria mandar consertar. Ora, como assim? Nos iríamos para Piúma a 90 km de Vitória, como ele iria fazer para se locomover sem sua cadeira??? Foi aí que muito prontamente meu marido pediu que a atendente perguntasse a sua superior se ela iria ensiná-lo a levitar!!!!  O mais extraordinário é que essa conversa ocorreu por meio de rádio no saguão do aeroporto, ou seja, todos ouviram. Final da história, cadeira quebrada, empresa aérea nada inteligente processada e condenada a pagar outra cadeira de rodas idêntica à do meu marido além de indenização por danos morais.





DICA: UMA FUNCIONÁRIA DA PRÓPRIA EMPRESA NOS INFORMOU QUE A MELHOR COMPANHIA AÉREA PARA SE VIAJAR TRANSPORTANDO CADEIRA DE RODAS É A TAM, POIS ELA DECLARA O VALOR ANTES DO EMBARQUE. ATITUDE NÃO ADMITIDA POR OUTRAS.